sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Adipocinas e Adiponectina


Adipocinas
*Sabe-se que o tecido adiposo é metabolicamente ativo. Dentre suas variadas funções ele desemprenha função endócrina, pois secreta substâncias hormonais que sinalizam o metabolismo e a inflamação, chamadas de adipocinas.
Essas moléculas regulatórias produzidas pelos adipócitos têm ações diversas, podendo ser agrupadas de acordo com a sua principal função em adipocinas com função:
# imunológica
# cardiovascular
# metabólica e
# endócrina.
Muitas delas regulam o próprio adipócito e outras têm seu alvo em tecidos distantes. Em 1994 foi descoberta a primeira delas, a leptina, mas atualmente foram descritas por volta de 50 adipocinas.

Em uma pessoa obesa, o tecido adiposo é maior, o que acarreta uma maior produção de adipocinas em geral, e esse aumento ocorre com o aumento da resistência à insulina e conseqüentemente com o aumento da glicemia. (Exceção: não há aumento da adiponectina e sim sua diminuição.)

Adiponectina
A adiponectina é um homônio peptídico. Ele é um tipo de adipocina que circula no sangue e afeta o metabolismo dos ác. Gaxos e dos carboidratos no fígado e no músculo. Este hormônio aumenta a captação dos ác. Graxos do sangue pelos miócitos e aumenta a velocidade da β oxidação nessas céluas.
Além disso, esse hormônio bloqueia síntese dos ác. Graxos e a gliconeogênese nos hepatócitos.

Esses efeitos ocorrem por meio da ativação da AMPK, que quando ativada fosforila muitas proteínas importantes para o metabolismo dos ác. Graxos e dos carboidratos com profundos efeitos no metabolismo.
Nos obesos a adiponectina se encontra diminuída e alguns estudos tem sido feitos para explicar esta redução. Essa diminuição do número de adiponectina é prejudicial ao organismo, pois esse hormônio está relacionado com o aumento da sensibilidade a insulina e atenua a progressão da aterosclerose
Alguns estudos feitos em ratos revelam a reversão da insulino-resistência com a administração de adiponectina, mostrando expectativas para uma futura utilização desta substância para tratamento da diabetes tipo 2

3 comentários:

  1. Muito bem escrito o post. Gostaria de saber quais foram as fontes bibliográficas utilizadas.

    Muito obrigada

    ResponderExcluir
  2. Soube que esse hormônio tb é indicado para esteatose hepática não alcoólica. Gostaria de algum comentário sobre isso, por favor.

    ResponderExcluir

=)